Argíria: Uma doença rara que faz sua pele ficar azul

| 12 de dez de 2012

A prata é considerada uma arma contra lobisomens (ou as munições fabricadas com ela).

Mas ela também pode afetar os humanos. Os portadores de argíria que o digam. Eles adquirem uma coloração azulada em sua pele e nos olhos (não tão intensa quanto os Smurfs, mas ainda assim muito perceptível). E a mudança de cor é só parte das alterações, na verdade.


A prata está entre as várias coisas desagradáveis que já foram receitadas como remédios. Até o século XVIII, as pessoas ainda ingeriam prata por recomendação de seus médicos para tratar de problemas como epilepsia, mau hálito e até cortes, pois acreditava-se que era um antisséptico.

Foi só há menos de 300 anos que os médicos descobriram a argíria, uma anomalia causada pela ingestão de prata que faz com que os olhos fiquem cinza, depois azuis. As unhas eram as próximas, e, então, o corpo inteiro.

A prática ainda existe hoje, com pessoas ingerindo prata coloidal, um outro termo para pedaços de prata suspensos em uma solução. É possível pedir pela internet, e alguns compram até máquinas para extrair a prata de fios.


O que acontece é que a prata não é totalmente absorvida. Ela deixa sais derivados em nosso corpo que, com o tempo, se cumulam e descolorem tudo que tocam. Até os órgãos internos acabam ficando azulados, e o processo é irreversível.
Embora a argíria por si só não seja uma doença propriamente dita e nem traga perigos para quem sofre dela, não há um teor exato de prata e nem um período certo para que ela seja consumida até que a pele fique azul. Uma dose pequena pode deixar a pele apenas cinza, mas uma dose maior deixará a pele azulada.
Doses maiores podem acabar com os seus rins e causar convulsões. Sendo assim, nada de incorporar o espírito do ‘body modifying’ e tentar alterar a cor de sua pele.
Embora não haja estudos conclusivos sobre benefícios à saúde sobre o consumo de prata coloidal, algumas pessoas ainda apoiam e vendem o produto.
Fonte: Jornal Ciência
Visto em: ,