Remédio à base de planta africana pode interromper vício em crack

| 14 de out de 2014
Levantamento da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que ibogaína foi eficaz em homens e mulheres.

A ibogaína, medicamento obtido da raiz da Iboga - planta encontrada em países africanos - pode ser a chave para interromper a dependência do crack e outras formas de vício em 72% dos casos.

De acordo com a pesquisa do Departamento de Psiquiatria da Unifesp, após serem tratados com o medicamento, 55% dos homens e 100% das mulheres participantes ficaram livres do vício por, pelo menos, um ano.

Medicamento se mostrou eficaz em 100%¨das mulheres que participaram da pesquisa
(Foto: Werther Santana/Estadão)

Liderado pelo psiquiatra Dartiu Xavier, o estudo, realizado entre janeiro de 2005 e março de 2013, envolveu 75 pacientes dependentes de várias drogas, como cocaína, crack, álcool e outras menos comuns.

- O prazo de abstinência que obtivemos costuma ser considerado satisfatório para podermos falar em uma possível cura.

Segundo o especialista em clínica médica, Bruno Chaves, o período em que os pacientes conseguiram ficar abstinentes foi significativamente maior após o tratamento com ibogaína em comparação com os períodos de interrupção da dependência conseguidos pelos mesmos pacientes antes dessa experiência. 

- Os tratamentos tradicionais alcançam resultados semelhantes em apenas 5 a 10% dos casos.

Chaves explica que o medicamento atua em duas frentes nos pacientes. Por um lado, aumenta uma substância já conhecida no cérebro, que repara as sinapses danificadas e cria novas conexões entre os neurônios, o que recupera, em parte, o dano causado pelas drogas.

- Junta a isso, também ocorre um reequilíbrio dos neurotransmissores e, por consequência, a proporção adequada entre serotonina, dopamina e noradrenalina, responsáveis pelas sensações de prazer.

Por outro lado, a ibogaína atua no campo psicológico do paciente. É comum o relato de uma certa confusão mental. "Durante os efeitos da medicação, os pacientes referiram experiências e vivências intensas, revivendo coisas que aconteceram em suas vidas", afirma o psiquiatra Xavier.

Efeitos colaterais


Embora tenham ocorrido reações como tonturas, tremores, náuseas, dores de cabeça e confusão mental, por até 24 horas após o início do tratamento, Chaves afirma que não houve registro de efeitos adversos graves nos pacientes pesquisados, como arritmias cardíacas ou mortes.

- O tratamento com ibogaína realizado em hospital, com acompanhamento médico constante, medicação de boa qualidade e procedência, em pacientes motivados, é seguro e sem complicações.

Chaves também ressalta que uma das principais vantagens do uso da ibogaína contra a dependência química é que, enquanto o paciente que recebe tratamento tradicional fica, em média, nove meses internado, aquele que vivencia a experiência psicodélica passa, no máximo, 48 horas recluso.

Fonte: R7
Visto em: , , ,