Chilenos inventam a bicicleta impossível de roubar

| 26 de ago de 2014
CHILE - Três estudantes desenvolveram um modelo de bicicleta que é um cadeado como projeto de uma disciplina para o curso de Engenharia civil.
Ciclistas não precisarão comprar correntes ou utilizar qualquer outro dispositivo de segurança para evitar que a bicicleta seja roubada.
Santiago - Andrés Roi, de 22 anos, Juan José Monsalve, 23, e Cristóbal Cabello, 21, são estudantes de engenharia civil da Universidade Adolfo Ibáñez (UAI) em Santiago, no Chile, e, em uma disciplina do curso, tiveram que pensar em uma solução para um problema presente relacionado a um meio de transporte. Já haviam roubado a bicicleta de Andrés duas vezes, rompendo os cadeados e, por isso, o grupo resolveu trabalhar em algo que impedisse isso. Foi assim que nasceu o modelo Yerka Project. Depois de dois anos de trabalho, eles conseguiram o primeiro protótipo da bicicleta impossível de roubar.

O modelo desenvolvido incorpora um quadro com um tubo inferior que se pode dobrar, formando assim dois braços, que acoplados ao tubo do selim pode ser fechado, ou seja, tornando-se um cadeado (veja o vídeo abaixo). Os três garantem que assim os ciclistas não precisarão comprar correntes ou utilizar qualquer outro dispositivo de segurança para evitar que a bicicleta seja roubada.


Em julho passado, os três participaram de um estágio no Instituto Gênesis, da PUC Rio de Janeiro, após serem vencedores do concurso nacional “Empreendimentos Universitários Inovadores”, organizado pelo Programa Regional de Empreendedorismo e Inovação em Engenharia (PRECITYE, sigla em espanhol).

Atualmente, os jovens estão procurando investidores para produzir o modelo para o público em geral e estão entusiasmados com a receptividade que o invento vem conseguindo nas redes sociais.


Eles conversaram com a AméricaEconomia Brasil e contaram sobre todo o processo desenvolvido. Veja a entrevista abaixo:

AméricaEconomia: Como vocês se conheceram e como surgiu a ideia para fazer a bicicleta Yerka? E qual o papel de cada um de vocês no projeto?
Yerka Project: Somos 3 companheiros no curso de Engenharia e amigos que estamos trabalhando juntos neste projeto. Cristóbal e Andrés são amigos desde o colégio, e eu (Juan José) somos amigos desde que ingressamos na universidade. Foi nas aulas do curso que tivemos a oportunidade de pensar em uma solução para algum problema presente relacionado a um meio de transporte e chegamos a solução atual, por causa da experiência de um de nós.

Os papéis de cada um de nós são muito claros: Andrés cuida de tudo que está ligado ao desenho e imagem visual da empresa, Juan José é o encarregado de todas as análises numéricas, comerciais e técnicas, Cristóbal é responsável do desenvolvimento e implementação dos distintos desafios técnicos. É importante ressaltar que atrás de nós está GarageUAI, instituto que nos apoia com conhecimento e especialistas nas matérias que necessitamos para levar adiante nosso projeto.

AE: Como foi realizar o projeto? Quanto tempo levaram para ter um modelo confiável e seguro? Quanto custou produzir a primeira bicicleta?
Yerka Project: O processo começou há dois anos. De início era somente uma ideia, que foi tomando forma com protótipos digitais e modelos em escala, mas foi no começo deste ano que conseguimos um protótipo 100% funcional e seguro. Mais que um custo financeiro, 400 dólares em materiais para o primeiro modelo funcional, houve um custo em tempo e aprendizagem. No momento, temos um modelo 100% funcional, mas já estamos trabalhando em vários modelos diferentes para fazer as distintas provas de segurança e comodidade.

AE: Como funciona a bicicleta? Se serram o tubo do selim e a roubam, é impossível usá-la com outro?
Yerka Project: O mecanismo funciona cortando o tubo inferior do quadro para formar os braços, ao abri-los e, posteriormente, cruzar o tubo do selím por eles se forma o cadeado. A graça de usar os componentes principais da bicicleta para formar o cadeado é que, no momento, que algum ladrão tiver que rompê-lo para levá-la, vai romper estes componentes fundamentais, e não vai poder usá-la posteriormente. O mesmo com o tubo do selim, se ele o rompe e coloca outro em seu lugar, os pedais se travam com o braço inferior com o qual se forma o cadeado, e se tenta andar com ela, romperá a bicicleta.

AE: Como está o processo de patente? Vocês já a conseguiram?
Yerka Project: A verdade é que ainda estamos no meio deste processo, mas não tem sido tão chato. Atualmente, contamos com uma patente provisória nos Estados Unidos e no futuro bem próximo, não mais que 10 ou 12 meses, esperamos contar com a patente definitiva ingressada em todos os países que consideramos dentro de nosso mercado.

AE: Estão buscando investidores ou sócios para produzir a bicicleta em grande escala? Quando acreditam que será possível produzi-la para o público em geral?
Yerka Project: Sim, atualmente estamos buscando investidores interessados nesta fase inicial do projeto. Cremos que em um ano e meio ou dois anos, estas bicicletas estarão circulando pelas ruas de distintos países.

AE: Como as pessoas estão recebendo a ideia do vocês, seja no Chile ou em outros países? E os ciclistas?
Yerka Project: Esta semana nosso projeto se tornou algo bastante viral e temos recebido comentários por nossa página e por Facebook. Estão recebendo muito bem nossa ideia, mas como em todos os projetos também recebemos comentários que nos diminuem e expressam insatisfação, mas ficamos sempre com as mensagens de apoio e que nos incentivam a seguir com a ideia. Diversas mensagens chegam de ciclistas de Argentina, Estados Unidos, Uruguai, Inglaterra, outros países da Europa, etc, e todas expressam seu apoio e sua vontade para comprar uma no momento que sejam lançadas ao mercado.

AE: Algum de vocês já havia sido empreendedor? Como está sendo esta experiência?
Yerka Project: A verdade é que este não é o primeiro empreendimento. Os três tivemos experiências anteriores no mundo do empreendimento e da inovação, mas esta é a primeira vez que um de nossos projetos se torna viral e recebido tão bem pelas pessoas. É uma sensação estranha, mas muito motivante, nos incentiva a seguir este caminho.

AE: Em algum momento do projeto pensaram em desistir?
Yerka Project: Para nós isto nunca foi uma opção. Desde o momento em que nasceu a ideia, nós sabíamos que tinha um grande potencial, e também tínhamos claro que o caminho a seguir não seria fácil nem curto, que necessita de muito tempo e energia, mas estamos tão convencidos de nosso projeto que não importam as dificuldades, sempre buscaremos uma forma de seguir em frente.

AE: Quais ensinamentos vocês tiram de toda esta experiência de identificar o problema, pensar em uma solução e realizar a ideia da bicicleta Yerka?
Yerka Project: Aprendemos que, ainda que aparente, nem tudo já foi inventado, nem muito menos solucionado. Independente de onde se olhe sempre há alguma oportunidade, algum problema que ninguém resolveu ainda. Basta saber identificar e pensar fora da caixa para encontrar uma solução e, assim, poder ajudar muita gente.

Via AmericaEconomia Brasil, Foto: Yerka Project/Divulgação
Visto em: , , , , ,